Foi por pouco: Extermínio da humanidade quase teve início por causa de uma coxinha

coxinha

Ontem, 30/10, foi realizada a edição 2015 do EATI (Encontro Anual de Templários e Illuminatis) que desde 1784 promove um dia de trégua nos conflitos conspiracionistas das duas famosas sociedades secretas. Nesse encontro, onde abraços e votos de felicidade falsos ocorrem numa profusão que faz lembrar o Natal ou uma confraternização de empresa qualquer, os lendários inimigos têm a chance de colocar as fofocas em dia, falar mal dos Maçons, dar risada com os bugs da nova versão de Assassin´s Creed e disputar uns campeonatozinhos de Poker, LOL e Fifa Soccer.

A reunião, como podemos imaginar, ocorre sempre em locais mais sigilosos do que esconderijo dos vilões no desenho do Pernalonga. Mas nada é sigiloso demais para os repórteres dO Celacanto! (ainda mais quando se trata de participar de uma boquinha livre) e mais uma vez acompanhamos o encontro in loco.

Num furo jornalístico sem precedentes, nossa equipe presenciou uma discussão que quase deu início ao fim do mundo como o conhecemos. E tudo por causa de uma coxinha! Não, não estamos falando de uma batedora-de-panela-leitora-da-revista-Veja-elite-branca-opressora-escravizadora-de-domésticas-apoiadora-da-mídia-golpista-eleitora-do-PSDB-que-posta-#bolsomito-no-Face-e-aplaude-emocionada-os-discursos-fascistas-da-Raquel-Sherazade! (Essa última parte foi meu editor esquerdista que me obrigou a colocar, tá, gente? Tá lá em Miami (porque pra Cuba ninguém quer ir, né?) esse filho da puta profissional que admiro muito e mesmo assim fica enchendo o saco colaborando para que as matérias fiquem totalmente parciais perfeitas. Não é um cuzão do caralho amor esse meu chefe?).

Então, mas voltando à vaca fria: tudo aconteceu perto da mesa onde estavam dispostos os salgadinhos, canapés, brigadeiros e quitutes afins (mesa, aliás, que nossos repórteres rodearam a noite inteira). Em determinado momento, quando a “mardita” começou a subir e as verdades começaram a aparecer, um dos Illuminatis comentou com outro, enquanto enfiava na boca a famosa iguaria de frango desfiado: “Ah, te falei que eu ia comer uma templária hoje! Hahahaha!”. Porém, um templário que estava por perto ouviu o comentário misógino e não quis levar desaforo pra casa. Seguiu-se então o seguinte diálogo:

Templário: O que quiseste dizer com isso, caro confrade?

Illuminati: Ora, você tá aí então, meu camarada! Sir John? Sir Galahad? Ah, tanto faz! Então, eu só quis dizer que esse salgado, que agora mastigo, é tão gostoso quanto uma… conversa ao entardecer… com uma jovem Templária.

Templário: Entendo. Pensei que estavas fazendo algum tipo de alusão às convicções políticas da minha irmandade. Se este fosse o real intuito de tuas palavras, confesso que seria difícil manter o acordo de paz até o final da presente festa.

Illuminati: Não, velhão! Relaxa. Sem política, futebol, religião, nem bolacha e biscoito. Senão a gente sabe que dá merda. [O templário estava indo embora, mas daí o illuminati completou]: Não dá pra discutir com uns carolas intolerantes que nem vocês, afinal…

Foi aí que a briga começou.

Juntaram-se grupos que ficaram ofendendo uns aos outros: coxinha pra cá, petralha pra lá, golpistas, fascistas, esquerdinhas-caviar, homofóbicos, defensores de bandidos, vai pra Cuba, falta de empatia, não reconhece privilégio, tá com dó leva pra casa, vou te bloquear, iluminatti bom é iluminatti morto, templários não passarão, entre outros adjetivos carinhosos… e o que era pra ser uma confraternização, virou um Facebook.

Templários: Nós combatemos e punimos o mal! Estamos a serviço de Deus!

Illuminatis: Cortando a cabeça e mandando pra fogueira quem não se enquadra nos seus dogmas? Isso é fascismo! Bem a cara do Deus que vocês defendem mesmo!

Templários: Ora, e vós?

Illuminatis: Nós viemos para trazer a luz ao mundo. Estabelecer a justiça, a igualdade e a perfeita comunhão do homem com os recursos naturais do planeta.

Templários: Matando 6 bilhões e quinhentas mil pessoas?

Illuminatis: É um mal necessário para a construção de um mundo melhor… e o extermínio será feito com carinho, totalmente humanitário… já compramos até os caixões para dar um repouso digno aos mártires da nova era!

Templários: Nada mais comunista! Stalin deve estar orgulhoso, aplaudindo no túmulo!

Illuminatis: Stalin não morreu…

Templários: Não???

Illuminatis: Não, tá ali tomando uma vodka com energético, perto do Élvis…

Nesse momento fez-se silêncio e as organizadoras do evento tiveram a presença de espírito e o timing para encerrar a discussão: “olha o bolo, gente!”. Todo mundo voltou a dar risada e fazer fila com pratinho de plástico na mão, porque, afinal, seja Templário ou Illuminati, mascu-da-real ou feminazi, carioca ou paulista, coxinha ou esquerdinha-caviar, Jean ou Jair, não tem quem não goste de um belo bolo de chocolate.

***

Natacha Gasparetto, drogada e prostituída (brinks… por enquanto só drogada mesmo rsrs), especial para O Celacanto!

Anúncios

Um comentário sobre “Foi por pouco: Extermínio da humanidade quase teve início por causa de uma coxinha

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s